quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Memorial Reflexivo - GET

Minha trajetória escolar se confunde muito com a profissional, pois sempre fui um aluno que ajudava os outros em suas tarefas ou quando não entendiam bem o conteúdo, ou seja, sempre fui inclinado a ser professor.
Lembro-me que morava em uma fazenda e quem me ensinou a ler e escrever foi minha mãe, não consigo me lembrar bem de como isso aconteceu, sei apenas que minha irmã mais velha estudava na cidade e a cartilha dela do ano anterior foi para a fazenda e minha mãe a usou para me alfabetizar. Aos 8 anos nos mudamos para cidade e então comecei a frequentar a escola.
Como já estava alfabetizado, pulei algumas séries, até alcançar a correspondente à minha idade. Sempre tive muita facilidade em aprender, daí a professora me colocava para ajudar os colegas que tinham dificuldades, despertando assim a minha vocação para professor. Ao ingressar no Ensino Médio, foi fácil escolher a opção: Técnico em Magistério.
Comecei a lecionar concomitantemente ao meu Ensino Médio, estudava a noite e dava aulas de manhã. Desde então estou engajado na profissão de professor, hoje sou formado em Biologia, professor de Biologia e Química, dinamizador do laboratório de informática, na rede estadual e sou tutor do Proinfantil, pelo município de Acreúna.
Ingressei no curso GET por puro acaso. Minha coordenadora foi convidada a fazer o curso e lá ela me inscreveu, me contando somente quando voltou da primeira fase presencial. Então estou numa correria danada para entender bem a estrutura do curso, tomar pé dos assuntos abordados e fazer minhas atividades exigidas. Acredito que não tive um bom aproveitamento, quanto aos conteúdos, do módulo 1. Até o momento estou muito atrasado em tudo, mas estou correndo atrás do prejuízo.
Vejo no curso GET uma ferramenta muito poderosa para auxiliar os profissionais da educação a utilizarem as TIC´s. O avanço tecnológico está escancarado aos nossos olhos e as escolas ainda engatinham no uso de tecnologias para criar ambientes de construção do ensino com seus alunos. A maioria dos professores ainda está muito presa a metodologias antigas no desenvolver de suas atividades, e não percebe o quanto está se distanciando do seu aluno, tornando a escola um espaço retrógrado, sem interesse e que não consegue cumprir seu papel na sociedade.
A escola possui pessoas (funções) que podem mudar essa realidade, como os coordenadores e os dinamizadores das TIC´s. E essas pessoas, ao fazerem cursos como o GET, se qualificam e se preparam melhor para dar um apoio técnico pedagógico aos seus professores, auxiliando-os, dando sugestões, acompanhando seus trabalhos, elaborando projetos conjuntos. Me reporto aos meus tempos de escola e fico imaginando o quanto eu teria achado interessante, o quanto teria me ajudado se eu tivesse acesso a tantos recursos tecnológicos como hoje.

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Uso do email como ferramenta pedagógica

O professor, como mediador da construção do conhecimento para seu aluno, deve buscar recursos tecnológicos que facilitem sua prática pedagógica, bem como facilite a construção do conhecimento por parte do aluno. O professor deve ver nos recursos tecnológicos ferramentas potenciais capazes de auxiliá-lo em seu trabalho, estimular seus alunos e contextualizar a aprendizagem ao mundo que cerca o educando.
Uma das ferramentas tecnológicas a serem utilizadas pelo professor é o e-mail, recurso de troca de informações entre os alunos e entre alunos e professores. Através do e-mail o professor pode estabelecer uma rede de comunicação com seus alunos, indicando-lhes sites interessantes, enviando informações importantes para aprendizagem, imagens, fotos, que possam ilustrar e aprimorar seu trabalho. Uma outra forma de utilizar o e-mail é promover a interação do professor junto a seus alunos que podem tirar dúvidas, obterem informações que não ficaram claras a qualquer momento. O e-mail também propicia o estímulo à produção de textos, prática imprescindível no processo ensino-aprendizagem.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Qual a vantagem de trabalhar o conteúdo da leitura em um projeto?

Para que a leitura se constitua em objeto de aprendizagem é necessário que tenha sentido do ponto de vista do aluno. Deve cumprir uma função para a realização do propósito que ele conhece e valoriza. É imprescindível representar na escola os diversos usos que a leitura tem na vida social dos alunos.

Trabalhar a leitura em forma de projeto permite a criação de situações que propiciam o encontro dos alunos com um problema que devem resolver por si mesmos. Funciona de tal modo que o professor não explicita o que sabe, que tornem possível gerar no aluno um aprendizagem própria. O projeto deve mobilizar o desejo do aluno de aprender independentemente do desejo do professor.

Os projetos devem buscar alcançar alguns dos propósitos sociais da leitura. Cada um desses propósitos aciona uma modalidade diferente de leitura. No desenvolvimento do projeto, enquanto se desenvolvem as atividades necessárias para cumprir o propósito imediato, alcançam-se também os objetivos referentes à aprendizagem.

Outro aspecto de relevância sobre o projeto é o tempo. O tempo é um fator de peso na instituição escolar: é sempre escasso em relação à quantidade de conteúdos fixados no programa, nunca é suficiente para comunicar às crianças tudo o que desejaríamos ensinar-lhes em cada ano escolar.

Ensinar através de projetos permite manejar com flexibilidade a duração das situações didáticas e viabiliza o retorno aos mesmos conteúdos em diferentes oportunidades, sob diferentes perspectivas.