sábado, 14 de setembro de 2013

Disturbios de aprendizagem

Apesar da grande dificuldade em expressar um conceito de normal, problema ou distúrbio, sabemos que através de estudos e experimentações muito profissionais foram construindo esses conceitos a partir da observação de crianças, adolescentes, jovens e adultos em diferentes fases de aprendizagem.
Hoje para cada estágio de vida existe um comportamento esperado e dito normal para o indivíduo. Entretanto existe uma grande diversidade no comportamento, que nos leva a compreender que embora uma criança não apresente um comportamento esperado como normal, não podemos dizer que efetivamente ela seja “anormal”.
Claro que não estamos aqui generalizando o assunto, pois existem comportamento que estão em total desalinhamento com os padrões e que causam dificuldade na socialização do indivíduo, impede sua aprendizagem e interação com o meio. Assim podemos classificar como um distúrbio.
Ao longo das aulas da disciplina, discutimos quais os problemas que podem dificultar a aprendizagem da criança e que causa sérios danos no aspecto de relacionamento dessa criança com seu meio. Esses problemas, embora caracterizem distúrbios, não impedem que o indivíduo leve uma vida relativamente normal e que consiga a seu tempo e limitações aprender e  avançar na aprendizagem.
Para isso é necessário o conjunto de profissionais (médicos, pedagogos, psicólogos, psicopedagogos, professores, fonoaudiólogos). Esses profissionais atuarão no diagnóstico e intervenções necessários para aliviar os efeitos dos distúrbios apresentados.
Não podemos esquecer o papel importante da família e da escola, atuando no emocional e no cognitivo, dando segurança e estímulo para que um indivíduo que apresente distúrbios consiga vencer, pelo menos em parte, sua limitações e consiga avançar em seu processo de aprendizagem.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Trabalhando com projetos

O trabalho com projeto permite ao professor planejar atividades mais significativas para o aluno, além de oportunizar a autonomia da aprendizagem. Ao desenvolver um projeto, o professor parte de uma situação problema que percebe no meio, entre seus alunos e a comunidade escolar, e propõe atividades que possam contribuir para resolver os problemas apresentados. Nas experiências que tenho com projeto, sempre percebi que o entusiasmo dos alunos é eminente, todos participam mais ativamente, se interessam pelo temas abordados além de serem mais interativos uns com os outros.
Em minha última experiência com projeto, desenvolvi o tema radioatividade com alunos do 2º ano. A ideia de trabalhar esse tema surgiu a partir do acidente em Fukujima e meus alunos sempre me questionavam sobre a energia nuclear. Foi uma experiência muito importante, pois resolvi desenvolver atividades no laboratório de informática e tive que ensinar meus alunos a usarem os programas (editor de texto, editor de apresentações, pesquisa, internet etc.). No princípio achei que estava perdendo muito tempo, mas depois percebi o quanto estava ajudando meus alunos, pois além de aprendermos sobre o tema, ainda estávamos desenvolvendo habilidades com a tecnologia, que foi muito importante.
O maior problema que enfrento com projeto é a falta de envolvimento de outros professores, então o trabalho fica muito isolado. Quando mais professores se envolvem, temos a oportunidade de acrescentar mais aprendizagem.

terça-feira, 17 de julho de 2012



Alfabetização e Letramento: Questões sobre Avaliação


Avaliar é um dos maiores desafios atuais da educação brasileira, principalmente no tocante ao processo de alfabetização e letramento. Encontramos muitas barreiras que dificultam a iniciativa de abandonar medidas antigas e pouco produtivas para lançar mão de um método mais includente, voltado para o avanço da criança que está construindo seu saber.
Esse tema foi amplamente discutido em nossos encontros do fascículo 2 e pudemos fazer um apanhado geral da atual situação que se encontra nossas escolas no município de Acreuna, no que diz respeito ao processo de avaliação. Muitas são as dúvidas dos professores. Percebemos que ainda não alcançamos respostas para nosso dia-a-dia a questões como: “O que avaliar?”; “Como avaliar?”. “Quais os critérios que devemos considerar na avaliação?”; “Como avaliar a partir de uma realidade que a criança já traz de casa?”; “Como valorizar sua cultura e seus costumes no processo de avaliação?”.
Através dos relatos ouvidos nas discussões e seminários, percebe-se que a maior parte dos professores ainda trabalha com métodos de avaliação ultrapassados, excludentes e que não valorizam a criança nas suas diversas concepções. Utiliza-se de recursos que apenas separam os alunos em dois grupos: o dos alunos que sabem e o outro dos alunos que não sabem.
Não há uma proposta de avaliação que aponta caminhos para o avanço daquelas crianças que não conseguiram alcançar os objetivos propostos e foram ficando para trás, sem aprender a ler e a escrever. Essas crianças ficam excluídas ao grupo dos que não saber ler, e pronto

domingo, 15 de janeiro de 2012

Analise de um programa de humor.


O programa de humor traz para quem assiste a expectativa de ver situações do cotidiano contadas de forma lúdica, engraçada e com uma dose de inteligência que só alguns humoristas apresentam. Esse tipo de programa deve ser elaborado para aguçar a imaginação de quem assiste utilizando-se de metáforas para aprimorar o texto mostrado.
O programa Zorra Total apresenta personagens caricatos, geralmente imitando políticos, pessoas famosas e minorais sociais, tais como gordos, homossexuais, negros entre outros. Esses personagens sempre retratam o lado menos sociável das pessoas que representam, exagerando nos preconceitos e comportamentos anti-sociais.
Esse tipo de personagem busca a atenção do espectador e quer fazê-lo rir. Para isso utiliza o recurso de explorar as características, físicas ou comportamentais, menos apreciadas pela sociedade. Normalmente o artista investe nos trejeitos homossexuais e suas afetações, nas características marcantes do negro, no comportamento inescrupuloso do político, nas frustrações de pessoas do dia-a-dia que não conseguem atingir seus objetivos.
Normalmente o expectador não percebe que em muitos momentos ele ri de si mesmo, uma vez que ele próprio está inserido no meio social arraigado de preconceitos. A crítica destrutiva está tão inserida no cotidiano desse expectador que ele não percebe que faz chacotas de si mesmo ou de pessoas que ele gosta e convive.

A utilização das ferramentas da internet na sala de aula


A inovação tecnológica abriu um leque de possibilidades do uso de ferramentas para promoção da aprendizagem. Recursos como o laboratório de informática facilitou a descentralização do conhecimento por parte do professor, que passou a ser um mediador da busca pelo conhecimento.
O uso da tecnologia possibilita ao professor tornar seu trabalho mais fácil e eficiente, uma vez que estimula seus alunos a adquirir autonomia no processo ensino/aprendizagem. Precisamos reconhecer que nossos alunos tem acesso a uma gama de informações através de jornais, televisão, internet. Muitas vezes os professores não conseguem acompanhar todas essas informação e acaba ficando desinformado, passando por situações constrangedoras em sala de aula. Então podemos direcionar o trabalho do alunos utilizando as tecnologias.
Infelizmente nem todos os professores estão aptos a utilizar os equipamentos que lhes são fornecidos. Essa falta de aptidão relaciona-se ao comodismo, ao medo do novo e ainda ao medo de deixar uma zona de conforto e lançar-se em busca de novas aventuras.
Conhecer o funcionamento de máquinas é recurso fundamental para o uso da TIC´s por professores. Entretanto o professor não deve preocupar-se com a parte técnica e mecânica do equipamento. O professor não precisa ser um técnico na área da informática para utilizar os recursos oferecidos pelas TIC´s. Ele deve apenas manipular os equipamentos afim de potencializar suas atividades no alcance dos objetivos proposto no seu planejamento.